logo

ENGLISH

workshops

Seminários/Workshops


Inscrições aceites por ordem de chegada até à lotação máxima de cada workshop.

Formulários e instruções para inscrição nos workshops

Formulário/instruções de Inscrição .pdf

Formulário/instruções de Inscrição .doc



Workshop orientado por Juan-Gil López (manhãs de 12 e 13 de Maio)

>

Macrófono, Escoitar.org/Galiza


Cartografías de lo sonoro


En este Seminario/Workshop se profundizará en los acontecimientos sonoros como generadores de sentido, en la escucha como una forma de conocimiento y en los diferentes formatos que permiten articular estas relaciones en el contexto del arte sonoro. Se tratarán aspectos relacionados con el campo de la fonografía, el soundscape, el soundwalk, las cartografías sensibles, la inmersión sensorial y las posibilidades de la geolocalización y los locative media.

Este workshop decorrerá durante as manhãs de 12 e 13 de Maio 9.30-13.00
número máximo de participantes: 12
preços: para quem já se encontra inscrito(a) nas conferências - 37 euros; restante público, incluindo alunos da FBAUP - 52 euros




Workshop/Master Class orientado por Livia Flores (manhãs de 12 e 13 de Maio)

título: 12.04.2008
instalação urbana, Morro da Conceição, 2008


UNCUT / Como fazer cinema sem filme?


Podemos dizer que o cinema, assim como a memória, monta na seta do tempo para melhor operar as margens de comutação entre o que seria possível e o que seria real. Justamente, seria: uma contração temporal, um futuro do pretérito.

No mundo em que vivemos, o grande benefício de seu pleno desabrochamento cinemático talvez seja exatamente o de nos lembrar, a todo instante, que uma imagem é apenas mais uma imagem que se acumula e menos uma prova de passado. E inversamente: o que se mostra pode estar apenas performando uma imagem. Ou seja, as franjas do “mais ou menos sempre possível” (Duchamp) continuam a se estender indefinidamente.

Neste contexto, o leit-motiv expresso pela pergunta “como fazer cinema sem filme?” se renova e desdobra, não apenas como alegoria do digital mas também do sem registro. Considerando que o corte e a repetição sejam prerrogativas do cinematográfico, como pensar a paragem do “sem corte”, como operar as condições de visibilidade de tudo o que furtivamente se mostra diante de nossos olhos? Se o filme se torna facultativo, como manter sua potência, como transitar entre a sua presença e ausência?

* * *

Na conferência, procurar-se-á investigar a incidência do cinematográfico sobre modos instáveis de produção em arte através da referência a certos artistas e pensadores, como Lucrécio, Duchamp, Bruscky, Pasolini, entre outros.

No workshop, destinado a estudantes e artistas, o interesse reside em desdobrar as questões abordadas na conferência através da troca de experiências e da discussão de trabalhos realizados e projetos em andamento.

Este workshop decorrerá durante as manhãs de 12 e 13 de Maio 9.30-13.30; a inscrição dá direito ao almoço de dia 13

número máximo de participantes: 10
preços: para quem já se encontra inscrito(a) nas conferências - 32 euros; restante público, incluindo alunos da FBAUP - 45 euros


1/3

seguinte: → exposições

anterior: ← outros